O Dragão Com Tosse

Sugestões: A criança mais pequena a quem já contei este conto tinha 3 anos e meio. Nessa idade é complicado porque o conto é comprido e as crianças muito pequenas tendem a perder interesse a meio. Todas elas adoram o fim, independentemente da idade. Uma solução possível é encurtar a história, saltando um dos animais. Nunca experimentei, mas deve dar. Outra solução é contar a história repartida em três noites, ao deitar. O conto é para ser contado a crianças individualmente, não pode ser contado em grupo. Vamos presumir que a criança se chama Francisco.

.

O Dragão Com Tosse

.

Era uma vez um dragão que tinha tosse.

Tu, às vezes, também tens tosse, não tens, Francisco?

(a criança responde que sim)

Mas nos dragões a tosse é uma coisa muito complicada. Sabes porquê?

O que é que os dragões deitam pela boca?

Deitam fogo, pois é.

Agora imagina um dragão com tosse. É MUITO complicado. Cada vez que o dragão tosse, deita fogo pela boca e queima tudo à volta dele – as árvores, as casas, os carros. Fica TUDO queimado.

Como o nosso dragão tinha muita tosse, as pessoas tinham medo e fugiam.

O dragão decidiu ir-se embora, já que ninguém gostava dele.

Voou durante muito tempo por cima do mar até que encontrou uma ilha pequenina, onde só havia rochas e areia. Ali ele podia tossir à vontade, porque não havia nada para queimar.

Mas o dragão era muito infeliz, naquela ilha. Estava sempre sózinho e não tinha ninguém para brincar. Não tinha amigos. Não tinha nada para fazer.

Um dia apareceu uma gaivota e achou estranho ver ali um dragão. Foi ter com ele e o dragão contou-lhe a história de como tinha ido ter à ilha.

A gaivota teve pena e disse-lhe assim:

– Olha, estás com sorte, porque eu sou uma gaivota mágica.

– Uma gaivota mágica? Perguntou o dragão, desconfiado. E que magias fazes tu?

– Eu posso transformar-te noutro animal. Se fores outro animal já não deitas fogo pela boca e podes tossir à vontade.

O dragão achou aquilo muito estranho, mas a gaivota disse que sim, que era verdade e que podia transformá-lo.

Voaram os dois por cima do mar até chegarem à terra onde o dragão vivia.

A gaivota disse:

– Pronto. Já chegámos. Já decidiste que animal queres ser? Não precisas de estar muito preocupado porque tens direito a quatro magias. Se não gostares do animal que escolheres, depois podes escolher outro.

– Eu já decidi. Quero ser um veado. Quero ser como o Bambi.

– Ah sim? Disse a gaivota. E porque é que queres ser um veado?

– Porque os veados têm uma vida fantástica. Passam o dia a correr e a saltar e quando têm fome é só baixar a cabeça e comer um bocado de erva. Para os veados, tudo é fácil.

A gaivota cumpriu o prometido e transformou o dragão num veado.

O veado começou aos saltos, todo contente.

– UAU! Isto é fantástico. Ser veado é que é bom. Obrigado gaivota. Podes ir-te embora. O meu problema está resolvido.

– Ainda bem que gostas de ser veado. Não te esqueças – podes mudar mais TRÊS vezes. Eu volto daqui a uma semana para ver se está tudo bem.

Daí a uma semana a gaivota voltou e encontrou o veado triste, magro e MUITO cansado.

– Que horror. Estás com muito mau aspecto. Disse a gaivota. O que é que aconteceu?

– Ah, nem queiras saber. Isto de ser veado é horrível. Passo o dia a fugir dos lobos. Andam sempre atrás de mim. Estás a ver este arranhão aqui nas costas? Foi um lobo. Ia-me apanhando. Escapei por um triz. Não consigo dormir com medo dos lobos. Não posso baixar a cabeça para comer com medo que os lobos apareçam. É horrível. Eu quero já deixar de ser veado.

– Está bem, disse a gaivota. Ainda tens mais três desejos. Que animal queres ser?

– Eu quero ser lobo, como é óbvio. Ser lobo é que é bom. Os lobos são forte e têm dentes afiados. Ninguêm se mete com eles.

– Ok. Disse a gaivota, e transformou o dragão num lobo.

O lobo rosnou e bateu os dentes com toda a força.

– UAU! Fantástico. Agora sou o mais forte da floresta. Obrigado gaivota. Podes ir-te embora. O meu problema está resolvido.

– Ainda bem que gostas de ser lobo. Não te esqueças – podes mudar mais DUAS vezes. Eu volto daqui a uma semana para ver se está tudo bem.

Daí a uma semana a gaivota voltou e encontrou o lobo triste, magro e MUITO cansado.

– Que horror. Estás com muito mau aspecto. Disse a gaivota. O que é que aconteceu?

– Ah, nem queiras saber. Isto de ser lobo é horrível. Para comer é preciso conseguir caçar. Eu nesta semana toda só comi umas amoras para enganar a fome. Os veados correm muito rápido e nem se consegue chegar ao pé deles. Os coelhos, quando se está quase a conseguir apanhá-los, dão uns saltos, de repente e desaparecem. Estou cheio de fome. Isto é horrível. Eu quero já deixar de ser lobo.

– Está bem, disse a gaivota. Ainda tens mais dois desejos. Que animal queres ser?

– Eu quero ser águia. Posso voltar a voar, como quando era dragão. Vejo o mundo todo lá de cima. É tudo mais fácil.

– Ok. Disse a gaivota, e transformou o dragão numa águia.

A águia bateu as asas, toda contente.

– Ah, isto sim. Vou voltar a voar. Obrigado gaivota. Podes ir-te embora. O meu problema está resolvido.

– Ainda bem que gostas de ser águia. Não te esqueças – podes mudar mais UMA vez. Eu volto daqui a uma semana para ver se está tudo bem.

Daí a uma semana a gaivota voltou e encontrou a águia triste, magra e MUITO cansada.

– Que horror. Estás com muito mau aspecto. Disse a gaivota. O que é que aconteceu?

– No primeiro dia correu tudo bem. Respondeu a águia. Estava bom tempo. Fazia sol e não havia nuvens. Fartei-me de voar. Cacei dois ratos para comer e fiquei de barriguinha cheia. O problema foi depois. O tempo começou a piorar. Chovia todos os dias. Havia muito vento, havia nevoeiro. Eu não conseguia voar por causa do vento e não via nada por causa do nevoeiro. Não como há 6 dias. Estou cheio de fome.

– Bem, disse a gaivota. Já percebi que ser águia é complicado. Tu ainda tens um último desejo. Pensa bem, porque depois de escolheres já não podes mudar outra vez. Já pensaste no que é que queres ser?

– Já. Desta vez tenho a certeza de que não me engano. Eu quero ser o Francisco.

– O Francisco? Perguntou a gaivota, surpreendida.

– Sim. O Francisco é que tem uma vida boa. Dorme numa cama quentinha. Os pais tratam dele, vestem-no, dão-lhe de comer. Nunca tem frio, nunca tem fome. Quando quer alguma coisa é só gritar “Ó MÃE, ANDA CÁ!”. Isso sim, é que é viver bem. Eu quero ser o Francisco.

Então a gaivota cumpriu o que tinha prometido e transformou o dragão no Francisco.

E é por isso que o Francisco às vezes tem tosse…

.

Se gostou deste conto, que tal ler este

O Príncipe e a Singularidade – Um Conto Circular

.

P. Barrento 2012

http://www.facebook.com/pedro.barrento

.

6 responses to “O Dragão Com Tosse

  1. Pedro,
    Thank you so much for your support of The Path to Survival, what a nice surprise.:) I adore O Dragao com Tosse and just finished purchasing The Prince and the Singularity on Amazon.
    Muito obrigado, Pedro.
    Lourdes x

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s